Blog

Visão Geral do Modelo Toyota (3)

Este artigo inicia a explanação do PROCESSO (“PROCESS”), que é o segundo pilar do Modelo Toyota. Ele se baseia no pressuposto de que:

“O Processo Correto Produzirá os Resultados Corretos”

São sete os princípios que derivam do pilar PROCESSO e o primeiro deles que vamos tratar é o “FLUXO DE PROCESSO CONTÍNUO”, cujo objetivo é:

“A Criação de um Fluxo de Processo Contínuo para Revelar os Problemas”

O conceito de “fluxo” nem sempre é compreendido sob a “ótica lean” nas empresas. O que costumamos encontrar por exemplo, é o “turismo de materiais”, do recebimento à expedição, ou em outras palavras, uma série de atividades composta por exemplo de: “levantar, abaixar ... mover, levantar, posicionar, abaixar ... espera ... levantar, abaixar, mover, posicionar ... espera ...“, e pasmem, na maioria das vezes tudo isso é considerado como “normal” ou “inevitável”.

Se isto ocorre com o Fluxo de Materiais, o que não dizer do Fluxo de Informações, que normalmente antecede e depois mantem “interfaces” com o de materiais; lembrando que a soma dos tempos de execução destes dois fluxos é o que define o prazo de entrega ao cliente.

No Fluxo de Informações, invariavelmente ocorrem redundâncias/repetições, atividades que em nada contribuem para o objetivo de atender as necessidades do cliente, excesso ou falta de dados/informações, imprecisões/erros que ocasionam retrabalhos, etc... que contribuem sobremaneira para aumentar o prazo de entrega ao cliente.

O Fluxo sob a ótica “lean”, deveria ser entendido como a menor distância entre dois pontos “A” e “B”, onde “A” é a entrada do pedido do cliente e “B”, o recebimento pela entrega do pedido ao cliente”.

Note que neste conceito de fluxo, há atividades administrativas, financeiras, comerciais, logística, operacionais, técnicas, etc... combinadas e sequenciadas que determinam o quão rápido (ou demorado) será o atendimento ao cliente.

E relembrando os 7 Desperdícios contextualizados no Sistema Toyota de Produção, temos:

  • Produtos Defeituosos, que também podem ser entendidos como dados e informações incorretos de um processo de cunho administrativo;
  • Produção em Excesso, ou processos administrativos sendo executados antecipadamente;
  • Estoques, ou “pilhas” de transações administrativas (físicas ou eletrônicas);
  • Excesso de Movimento (caminhadas/deslocamentos para executar o trabalho);
  • Processos Inadequados (desnecessários ou em excesso);
  • Transporte (“turismo de materiais”);
  • Esperas (por materiais, dados/informações, por decisões, por conserto em máquinas e sistemas, etc)

Se analisar em detalhe os Fluxos de Informações e de Materiais da sua empresa, certamente encontrará alguns dos 7 desperdícios (ou todos!).

E é somente através da identificação, priorização, solução adequada e gestão diária dos desperdícios tanto no fluxo de informações como no fluxo de materiais que podemos contribuir para a criação de um fluxo contínuo.

E se o fluxo contínuo apresentar “soluços”, estará de fato contribuindo com novas oportunidades de melhoria para o fluxo do processo.

Portanto, seria muito relevante para o princípio do FLUXO DE PROCESSO CONTÍNUO:

  1. Definir o tema, escopo, objetivos, equipe multifuncional para tratar do tema em questão (o que queremos/onde queremos chegar);
  2. Medir a situação atual associada ao item anterior (saber onde estamos);
  3. Analisar a situação atual através dos dados obtidos (entender de fato a situação atual);
  4. Melhorar a situação atual (priorizando ações com foco e impacto nos objetivos);
  5. Controlar o desenvolvimento do processo de melhoria, assegurando o cumprimento das ações nos prazos estabelecidos e retroalimentar todo o sistema.

Notem que o princípio do FLUXO DE PROCESSO CONTÍNUO se retroalimenta constantemente:

  • A eliminação de desperdícios contribui para um fluxo de dados/informações e de materiais mais contínuo;
  • O fluxo contínuo de dados/informações e de materiais ao ser interrompido, revela novas oportunidades de melhoria no processo.

Tornar esses fluxos visíveis para toda a organização é uma forma de começar a mudar a cultura da empresa, pois além dos processos, estaremos desenvolvendo pessoas também.

É ligar pessoas e processos proativamente!

Convidamos você a seguir esta matéria através dos próximos “blogs” que publicaremos semanalmente.

Agradeceríamos receber os seus comentários através do e-mail wcbm@wcbmconsulting.com para melhorar futuras publicações.

Forte abraço e até breve!

Washington Kusabara – Sócio Diretor